Atualidade
SABORES DA TROFA EM DESTAQUE NO AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO
18 de Outubro de 2019
0 comentários


 

LICOREIRA PORTUGUESA COM AÇÃO DE PROMOÇÃO NA LOJA INTERATIVA DE TURISMO DO AEROPORTO DO PORTO, ENTRE 21 E 28 DE OUTUBRO

 

A Licoreira Portuguesa estará em destaque entre os dias 21 e 28 de outubro, na Loja Interativa de Turismo do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Em parceria com a Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal, a empresa familiar trofense dará a conhecer os sabores do licor tradicional.

 

O “Welcome Drink” está marcado para as 15h00 do dia 21 de outubro, e contará com um momento musical proporcionado pela Banda de Música da Trofa. Entre os sabores da Licoreira Portuguesa, estarão em destaque o Licor Medieval, o Licor Limão Canela e o Licor Ginja.

 

Esta é mais uma ação de promoção das empresas do Concelho, tendo também uma vertente cultural e turística associada.

 

A história da Licoreira Portuguesa está associada ao renascimento dos sabores campestres e ao recuperar das receitas e tradições que remontam ao século passado. Reza a história que corria o ano de 1809, por altura das invasões francesas, e que o Duque de Dalmácia havia pernoitado com as suas tropas na casa do Souto, na Trofa, deliciando-se com estes licores de sabor furtado e intenso, como forma de aqueceram as suas almas atormentadas pela guerra.

 

Já em 1919, Américo Moreira da Costa, filho de agricultores, gentes da terra, recuperou as receitas ancestrais e inaugurou uma tasquinha típica, onde vendia vinhos e petiscos, bem como aguardantes e licores. Tinha como nome “A Tasquinha do Américo”, que à sua morte passou a chamar-se “A Tasquinha da Viúva do América”.

 

A tasquinha, conhecida pela qualidade dos petiscos, bons vinhos, aguardentes e licores, ganhou nome, tornando-se famosa e conhecida em diversos pontos do país. Seguiram-lhe os passos os filhos e mais tarde os netos. No entanto, a produção artesanal de aguardentes e licores, ficou esquecida.

 

Só mais tarde é recuperada a tradição pela Licoreira Portuguesa, onde o bisneto Filipe Gonçalves deu nova vida a este “néctar dos deuses”, cumprindo sempre as receitas ancestrais legadas pela família. É com grande responsabilidade que assume este desafio, mas chegou a hora de honrar o legado deixado pelos seus antepassados, enriquecê-lo, por forma a dar a conhecer a todo o mundo as maravilhosas iguarias que são estes licores. É uma herança e um gosto de família. Todos os produtos continuam a ser elaborados de forma artesanal, respeitando as receitas originais, usando produtos biológicos (frutas e plantas aromáticas).

 

 

 

 

Comentários
Sem comentários
Publicidade
Vídeos
Recuperação e Valorização das Margens do Rio Ave - Assinatura Protocolo
Lançamento Oficial das Trofinetes
Inauguração do Projeto OPJ "Xuta Querelêdo"